R$358,00
R$378,00
2 x de R$179,00 sem juros
6% de desconto pagando com PIX
Ver mais detalhes
Atenção, última peça!
1 em estoque
Entregas para o CEP:
Frete grátis a partir de
Meios de envio
Calcular
Não sei meu CEP

Colar Espiral do Tempo faz parte da Coleão Memória, que transforma elementos da natureza do Bioma Pampa que são considerados resíduos, em matéria-prima nobre para produção das joias, como a lã da criação de ovinos Texel e as crinas de criação dos cavalos da raça Crioula.

Composição:

Cordão de lã de ovelha.

Pingente feito de tranças de oito mechas de fios de crina de cavalo, que formam esse movimento espiral.

Acabamentos em Zamac (liga metálica de Zinco, Alumínio, Magnésio e Cobre).

Cor:

Lã marrom escura natural, sem tingimentos.

Crina marrom Tostada (composição de fios vermelhos, marrons e brancos, conferindo um tom "afogueado", natural da pelagem tostada, sem tingimento).

Acabamentos em dourado.

 

Foto ilustrativa, pois a cor pode ter variação devido aos fios de cores variadas presentes nas mechas, e na tonalidade da joia devido a luz da fotografia conforme a tela do seu dispositivo.

Medidas: 

Comprimento total do cordão aberto com o fecho: 74cm (35cm em cada lateral do colar)

Largura do cordão: 0,7cm

Pingente: 8,5cm

 

Sobre nossa matéria-prima:

A lã da raça Texel se tornou um resíduo na região da Costa Doce do Rio Grande do Sul, pois estes animais possuem uma lã considerada de baixa qualidade para trabalhos com fiação que exigem fios mais sedosos. Esta desvalorização inviabilizou seu comércio e a sabedoria ancestral de beneficiamento desta lã se perdeu nos tempos por esta região. 

Inclue ir estes cordões feltrados é uma forma de resgatar esses saberes do fazer manual ancestral da feltragem e de fortalecer este importânte elo da rede de economia desta atividade e também de valorizar a mão de obra feminina do campo. 

Sobre a crina cavalo, estes fios são resíduos da criação de cavalos Crioulos da fampilia da designer. A atividade de pecuária desta raça que se criou no Pampa Gaúcho tem o costume de retirar os excessos de fios do pescoço e da cola. Este costume  se desenvolveu, pois no bioma Pampa a vegetação predominande possui muitos espinhos que enrolam nos fios de tal forma que pode acarretar lesões na pele, poranto tem o objetivo de cuidado e bem estar animal, assim como das ovelhas. Isto gera um resíduo (os fios de crina) que coletamos e beneficiamos para produção das peças.